Especialidades Médicas

Especialidades Médicas

Para as mais de 80 mil crianças e adolescentes baianos, de 0 a 14 anos, atendidas por ano no Martagão, são oferecidas, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), 28 especialidades médicas pediátricas. Vale destaque para os serviços de alta complexidade. Das cirurgias oncológicas feitas pelo SUS em pacientes da faixa pediátrica em 2019, o Martagão Gesteira é responsável pelo maior quantitativo: 44,54%. Se forem analisadas as neurológicas, nas mesmas condições, o Hospital realizou a maior parte (31,68%). A liderança nos procedimentos de alta complexidade se repetiu, ainda, nas cirurgias cardíacas (34,28%), no tratamento em oncologia (49,18%) e na produção de diárias em UTI Pediátrica (20,85%).

Conheça um pouco mais de cada uma das especialidades:

Hepatologia e Transplante Hepático

O serviço de transplante hepático infantil do Hospital Martagão Gesteira é uma vitória para a pediatria do estado. Atualmente, temos na Bahia uma lacuna para diagnóstico precoce das doenças hepáticas que levam à doença terminal do fígado, sendo a atresia das vias biliares a sua principal representante. Somado a realidade dos números desfavoráveis de crianças que já atingem o diagnóstico em fase avançada, também não contávamos com uma estrutura voltada para a realização do procedimento de transplante de fígado na população pediátrica, tendo necessariamente que depender da transferência para grandes centros transplantadores, fora do Estado.

Tendo este cenário pela frente, o Martagão Gesteira, em parceria com o Hospital Sírio Libanês (SP), através do PROADI (Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS), estabeleceu um compromisso decisivo para habilitar o estado da Bahia como novo polo de transplante hepático infantil, referência para a região nordeste. O Martagão foi escolhido para ser a casa desta missão.

Tornar a Bahia um polo transplantador de fígado infantil é uma vitória em amplos os sentidos. Primeiro, porque dá ao estado um papel de protagonismo, que ele já detém em tantos outros aspectos da saúde infantil. Segundo, porque muda radicalmente o cenário das crianças que hoje dependem do procedimento fora da Bahia. Por fim, toda a equipe envolvida no transplante foi capacitada pela equipe que mais tem experiência em transplante de fígado em crianças (Sírio Libanês – SP) e suas variações técnicas.

Os desdobramentos desta realidade proporcionaram também ao hospital a inauguração do serviço de endoscopia digestiva (fundamental para o Estado), o programa estadual de triagem e captação precoce de crianças com provável atresia de vias biliares (pautado na iniciativa nacional do alerta amarelo), além de ambulatórios pré e pós transplante que já funcionam semanalmente.

Além do acompanhamento das crianças pré e pós-transplante hepático, o Martagão conta com ambulatório onde são realizadas consultas para as diversas patologias que acometem o fígado, a despeito de necessitarem de transplante como terapêutica ou não.