“Martagão é um dos hospitais na linha de frente do combate à pandemia”, destaca reportagem do Jornal da Liga 2020.1

No primeiro semestre de 2020, uma pandemia modificou o mundo e impeliu uma nova dinâmica para hospitais de todo o país. Apesar de o foco dos casos de Covid-19 não ser exatamente a faixa pediátrica, crianças de diferentes idades também foram acometidas dessa doença, ocasionada pelo Coronavírus. Diante dessa situação e com alcance estadual, o Hospital Martagão Gesteira assumiu um papel importante para garantir o tratamento das crianças vítimas dessa nova enfermidade, além de assegurar a não interrupção daqueles que já necessitavam da instituição para tratar outras patologias.

Além dos pacientes, foi preciso, também, tentar minimizar os riscos e impactos para profissionais e familiares. Novas dinâmicas foram construídas, setores destinados exclusivamente para pacientes com suspeita e confirmados com covid-19 foram criados, e o uso da tecnologia ajudou a encurtar distâncias e permitir a comunicação. 

“O Martagão, como sempre ocorreu na sua história, atende ao chamado da saúde pública, nesse esforço para garantir acesso à saúde para crianças da Bahia. Estaremos sempre colaborando dentro da nossa missão, ainda mais num momento como este de pandemia”, ressalta o Presidente da Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil, mantenedora do Martagão, Carlos Emanuel Melo.

No total, de 16 de março a 30 de junho, 50 crianças deram entrada no Hospital e tiveram diagnóstico confirmado para Covid-19. Destas, 31 já haviam recebido alta, até o fechamento desta edição, curadas. Para o Diretor Médico da Liga Álvaro Bahia, Risvaldo Varjão, o Martagão tem tido “um excelente resultado” no cuidado a estes pacientes. 

“Todo o empenho da administração e de todo o corpo clínico do Hospital em disponibilizar de forma assertiva e coerente as melhores opções de tratamento para essas crianças permitiu que tivéssemos um desfecho favorável para estes pacientes”, destaca Varjão.

A estrutura física do Hospital também teve que passar por mudanças, como mais uma das medidas preventivas. Houve modificação do fluxo de acesso de pacientes com suspeita ou confirmação de covid, com a criação de protocolos específicos para a circulação deles. 

“Foi criado um hospital Covid dentro do próprio Martagão, dedicadas uma enfermaria e uma UTI e adaptado todo um fluxo para suprimento e bom funcionamento de forma isolada, para evitar a disseminação do vírus na instituição. Tivemos o cuidado de isolar desde o acesso de entrada de funcionários e familiares até o local de refeição, sanitários exclusivos, segmentação de equipe, além de protocolos assistenciais, protocolos de higienização, dispensação e uso de EPI’s. Tudo focado na qualidade da assistência e controle da disseminação”, finaliza a Diretora do Martagão, Erica Oliveira.

Esta matéria faz parte do Jornal da Liga 2020.1. Leia a publicação completa aqui.