Martagão compartilha, em seminário, experiência no tratamento de bebês com malformações congênitas

A UTI Neonatal Cirúrgica do Martagão recebe pacientes de diversos municípios

O Hospital Martagão Gesteira partilhará, em um seminário, as experiências de tratamento em bebês que nasceram com malformações congênitas. Realizado pela instituição filantrópica, o 1º Seminário Baiano Multidisciplinar do Neonato Cirúrgico, que está com as inscrições abertas, foi prorrogado e será realizado em 8 de maio do próximo ano. O evento reunirá especialistas e profissionais de saúde da área de neonatologia para compartilhar experiências obtidas desde a criação da UTI Neonatal Cirúrgica da instituição filantrópica.

O seminário tem como objetivo promover a disseminação de condutas adequadas para a condução do neonato cirúrgico (recém-nascido até completar 28 de vida) obtidas desde a criação da UTI específica. O intuito é melhorar a qualidade da assistência e reduzir a mortalidade desses pacientes.

“Nos quatro anos e meio de existência da UTI Neonatal Cirúrgica do Martagão, dispusemos de uma unidade exclusiva para o cuidado de pacientes que nasciam com malformação congênita. Isto fez com que desenvolvêssemos habilidades mais específicas no cuidado desses bebês. Descobrimos que há caminhos diferentes para muitas das condutas que eram tomadas anteriormente”, ressalta o coordenador médico da unidade, Samir Franco.

A UTI neo recebe pacientes de diversos municípios da Bahia e até de estados vizinhos. Mais de 700 bebês já foram atendidos. “O recém-nascido que tem deformidades congênitas é um bebê que requer cuidado especial, porque cada malformação é diferente. Cada paciente necessita de um tratamento individualizado e precisa de cuidados específicos antes, durante e depois da operação”, diz Samir.

Segundo o médico, o seminário surgiu com o intuito de replicar condutas positivas. “A importância deste evento reside no fato de podermos replicar para a comunidade de saúde que cuida desses recém-nascidos os conhecimentos acumulados neste período. Ensinar algumas práticas, validar outras que já existem e alertar os pontos onde vimos maiores erros na condução dos bebês antes de chegarem na UTI neo”, acrescenta.

A UTI Neonatal Cirúrgica do Martagão foi criada a partir de uma demanda especializada de cuidados com recém-nascidos que tivessem algum problema cirúrgico. São pacientes graves, que demandam internações prolongadas, terapêuticas diversas e que precisam de um cuidado especial. Antes, esses bebês disputavam leitos em UTIs neonatais com pacientes clínicos.

“Ela é a única unidade neonatal do estado que possui suporte para tratamento pacientes com malformações diversas, abrangendo a maioria das especialidades cirúrgicas neonatais como cardiocirurgia, neurocirurgia, cirurgia geral, entre outras”, frisa.

Com a experiência de mais de quatro anos e diante da especialização, os profissionais do Martagão acumularam conhecimento e conteúdos práticos importantes para a condução do neonato com malformações congênitas que demandam terapêutica cirúrgica e acompanhamento multidisciplinar.

Para Samir, é importante que este conhecimento seja partilhado para evitar, inclusive, que estes pacientes cheguem na unidade em condições de saúde que dificultem o tratamento específico. “A estratégia de concentrar esses pacientes em uma unidade de referência permite maior especialização e melhora o cuidado desses bebês”, finaliza. As inscrições para o seminário custam R$ 100 para profissionais de saúde e R$ 80 para estudantes de cursos de graduação em saúde.

O Martagão Gesteira é mantido pela Liga Álvaro Bahia Contra a Mortalidade Infantil. Sob a gestão da entidade estão, ainda, o Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana, o Centro de Referência Estadual para Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (Crea-Tea) e o Hospital Sokids, em Vilas do Atlântico.